quarta-feira, setembro 30, 2020
34.6 C
São Paulo

10 erros comuns na manutenção da moto

Da mesma forma que o corpo humano, as motos continuam funcionando mesmo que a manutenção não seja adequada. Mas alguns costumes dos seus donos podem acabar com o potencial delas. Para não correr esse risco, confira erros simples que ocorrem na hora da manutenção da moto e fique longe destes problemas.

Esquecer a calibragem dos pneus

Além das motos, há outros veículos que andam por aí com os pneus murchos, diminuindo a vida útil deles e usando mais gasolina do que o necessário. Algumas pessoas checam a pressão dos pneus após cada corrida. Se não for possível, faça isso uma vez por semana ou todas as vezes que for encher o tanque. Não se esqueça, também, de ver se há objetos estranhos que podem ter ficado nos pneus ou qualquer sinal de danos.

Gastar dinheiro com gasolina cara (premium), quando sua moto não precisa disso

O manual da sua moto ou o adesivo de gasolina que fica no tanque mostrará a quantidade de combustível (PON ou pump octane number, em inglês, ou octanagem, em português) que a moto precisa. Algumas precisam de gasolina premium (com PON 90 ou maior), mas, motos modernas e algumas antigas só precisam do combustível regular (PON de 86 a 87). Usar o combustível com octanagem abaixo do que se precisa é ruim, porque isso pode causar problemas no motor. Agora, usar aqueles com octanagem mais alta do que o necessário faz você gastar mais e o rendimento por quilômetro também é baixo.

Não checar e trocar o óleo

Todos os motores de combustão precisam de lubrificação para reduzir a fricção e o calor. Então, fique esperto com a manutenção da moto! Mantenha o costume de sempre checar o nível do óleo todas as vezes que encher o tanque. E atente-se para a troca de óleo (de acordo com os intervalos entre uma corrida e outra). Filtros de óleo coletam sujeira e partículas, então, tenha certeza de instalar um novo quando trocar de óleo.

Créditos: Rider Magazine.

Não limpar, lubrificar e ajustar as correntes

A falta dessas ações vai trazer problemas para a sua vida. Se tem uma moto mais antiga talvez ela não tenha retentor, precisando de mais manutenção. Mas a maioria das motos novas tem retentor (O-ring), juntas em formato de anel que precisam de limpeza e lubrificação. Caso você corre com frequência, em locais úmidos e com muita sujeira, o ideal é lubrificar com frequência. Faça isso sempre após a corrida ou quando a corrente estiver quente. Sempre limpe os excessos e gire a roda traseira para ajudar o lubrificante a entrar. Depois de limpa e lubrificada, confira a tensão da corrente, faça os ajustes necessários e veja se as rodas dentadas não estão gastas.

Créditos: Rider Magazine.

Não usar o estabilizador de combustível ou limpar os carburadores

Se a sua moto tem carburadores e há um grande espaço de tempo entre as corridas, algumas peças podem ficar obstruídas por causa do combustível antigo. Usar um estabilizador de combustível e drenar o carburador após uma corrida são fatores essenciais na hora da manutenção da moto para proteger o sistema do combustível.

Créditos: Rider Magazine.

Deixar de lado a lubrificação/ajustes dos cabos do acelerador, da embreagem e do freio

Um cabo que não tem o cuidado adequado não se move adequadamente e pode ser perigoso. Além disso, um que esteja quebrado pode lhe deixar no meio do nada. Os cabos devem ser lubrificados e ajustados, pelo menos, uma vez por temporada e mais frequentemente por motos de off-road.

Créditos: Rider Magazine.

Não usar um carregador de bateria

Mesmo que a moto esteja na garagem, alguma hora a bateria vai descarregar. Deixar isso acontecer leva a um processo que leva a perda do poder de arranque (a moto não vai ligar) e a diminuição da vida útil da bateria. Um jeito bacana para manter a bateria bem é usar um carregador, que controla várias funções da bateria e as mantém em condições ideais.

Créditos: Rider Magazine.

Não checar ou trocar o óleo final

Muitos caras gostam de motos com shaft drive, porque é mais limpo e de manutenção mais tranquila. Apesar de serem mais pesadas que as de corrente, as “shafties” não precisam ser ajustadas e ter peças substituídas como as de corrente. Mas como qualquer moto, elas precisam que o óleo seja checado com frequência e que o final seja trocado, já que os intervalos de troca podem ser um pouco espaçados. Se isso não for feito, as consequências podem ser bem caras para o piloto.

Créditos: Rider Magazine.

Deixar de lado o fluído do freio

Para manter os freios hidráulicos trabalhando bem, o fluído deve ser trocado regularmente. Feitos de glycol (tipos 3, 4 e 5.1), estes fluídos absorvem umidade, que contamina o produto a todo momento. A recomendação é trocar o produto após dois anos e as mangueiras de freio, após quatro anos.

Créditos: Rider Magazine.

Não ler o manual do proprietário

Esta é uma fonte essencial de informações. Apenas algumas pessoas leem o manual por estarem preocupadas com cada detalhe. Se você não é uma delas, saiba que há várias divisões em tópicos, com informações gerais, específicas e de manutenção. Se for possível, mantenha o manual sempre por perto – seja na bolsa, mochila ou garagem.

Créditos: Rider Magazine.

Com informações do Rider Magazine.

As mais lidas...

close